Prefeituras     Câmaras     Outras Entidades
 
 
 
SEJA BEM VINDO A TRIBUNA ONLINE
GUANAMBI/BAHIA - Sábado, 02 de Julho de 2022
 
 
 
ONDE ESTOU: PÁGINA INICIAL > NOTÍCIAS
 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

   
 
 

EDITAIS

NOTÍCIAS

 

Sondagem qualitativa detecta origem da alta rejeição ao PT no Oeste baiano
Segunda-Feira, 20 de Junho de 2022

Uma ampla pesquisa qualitativa encomendada pela pré-campanha do ex-prefeito ACM Neto (União Brasil) ao Palácio de Ondina atribui a forte rejeição enfrentada pelo PT no Oeste da Bahia ao baixo empenho do governo estadual em solucionar a carência de energia na região. A insuficiência de matriz energética é apontada como a principal barreira para o crescimento do agronegócio baiano e a atração de investimentos de peso, sobretudo nas indústrias têxtil e de alimentos. Entre eleitores das classes média e alta do Oeste, fatia com potencial de influenciar votos em escala exponencial, o desinteresse das gestões petistas em empunhar a bandeira do setor produtivo local, após quase 16 anos no poder, ocupa o topo das queixas.

Deixa comigo

As insatisfações dirigidas ao PT por produtores rurais e lideranças que representam o agronegócio motivaram Neto a colocar a expansão da oferta de energia na região na lista de prioridades máximas do seu plano de governo. Com o gesto, Neto vem ganhando espaço cada vez maior no numeroso eleitorado antipetista do Oeste.

Roda presa
Crítico ferrenho da postura adotada pelo governo baiano diante do grande gargalo da região, o deputado estadual Paulo Câmara (PSDB) afirma que há dezenas de empresários com projetos parados por causa do déficit energético. "Tem produtor cuja expectativa é de receber a energia solicitada à Coelba apenas em 2025. Ainda assim, sem garantias claras de que o prazo será cumprido. Muitos recorrem a geradores movidos a diesel para manter a operação no campo. O que eleva bastante os custos. Boa parte do problema é resultado da desatenção do PT em apertar a Coelba a investir mais recursos na distribuição e mobilizar as forças políticas do estado para pressionar o governo federal a ampliar a rede de transmissão", destacou.

 

FONTE: www.correio24horas.com.br/Por Jairo Costa Júnior/Foto-jornalnovafronteira.com.br  
 
 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

   
 
    © 1999-2022 TRIBUNA ONLINE