Prefeituras     Câmaras     Outras Entidades
 
 
 
SEJA BEM VINDO A TRIBUNA ONLINE
GUANAMBI/BAHIA - Quarta-Feira, 17 de Julho de 2024
 
 
 
ONDE ESTOU: PÁGINA INICIAL > NOTÍCIAS
 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

   
 
 

EDITAIS

NOTÍCIAS

 

Plantação de amendoim irrigada é promessa para oeste da Bahia
Terça-Feira, 18 de Junho de 2024

Se há cinco décadas, algum agricultor dissesse, em alto e bom som, que apostaria em uma grande produção de amendoim no oeste da Bahia, provavelmente seria taxado como louco. O passar dos anos e as novas tecnologias, no entanto, têm deixado esse dia cada vez mais perto. O cultivo irrigado do amendoim está sendo testado em Luís Eduardo Magalhães e é promessa para os próximos anos no estado.

O produtor rural e pesquisador Celito Breda participa da condução dos testes e conta que os resultados são promissores. “Dentro de quatro ou cinco anos, o amendoim deve se tornar mais uma produção para os produtores irrigantes da região. Estamos nos testes preliminares, mas acredito no potencial de produção em torno de 8 até 9 mil por hectares de amendoim em casca”, diz.

Atualmente, as cidades baianas com as maiores produções de amendoim são Maragogipe, Cruz das Almas e Tucano. O cultivo da leguminosa exige, além do solo fértil e com boa drenagem, muita água. “Teremos qualidade muito boa para a exportação, já que a demanda interna é muito fraca”, analisa Celito Breda. A expectativa é que 70% da produção de amendoim no oeste baiano seja voltada para o comércio externo.

“Os testes estão sendo feitos em Luís Eduardo Magalhães, mas, no ano que vem vamos distribuir os teste para outros três ou quatro municípios do oeste”, completa o produtor, sem detalhar os locais. O projeto é uma parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Nesta semana, o Governo do Estado lançou, o Plano ABC+ Bahia, que prevê medidas para impulsionar o desenvolvimento sustentável na agropecuária. A divulgação do plano foi feita durante o Bahia Farm Show, que aconteceu em Luís Eduardo Magalhães, de 11 a 15 de junho.

“O plano visa mitigar a emissão de carbono da atmosfera. O objetivo é recuperar as pastagens e áreas de cultivo degradadas. O solo degradado, além de prejudicar a produção, é danoso para o meio ambiente”, explica o engenheiro agrônomo Assis Pinheiro Filho.

 

FONTE: www.correio24horas.com.br  
 
 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

   
 
    © 1999-2024 TRIBUNA ONLINE